Navigation

A história de Macau tem pelo menos anos. Este pequeno território proporcionou uma importante plataforma para o intercâmbio de culturas ocidentais e orientais, que moldou uma identidade própria para Macau. Eles, ocupando gradualmente [ nota 1 ] Macau, rapidamente trouxeram prosperidade a este pequeno pedaço de terra que se localiza junto à foz do Rio das Pérolastornando-a numa grande cidade comercial. Durante o século XIX, porém, Macau começou a entrar rapidamente em declínio por causa do estabelecimento de Hong-Kong pelos ingleses.

Quer partilhar este artigo?

Pois é… Macau tem uma história um tanto curiosa e tenho certeza que você vai gostar de saber muitos fatos interessantes sobre esse pedacinho português na China. Grandes construções religiosas se ergueram, como a gigante Igreja da Sé, que hoje é a Domo de Macau, construída em Se quiser ler com detalhes toda a história de Macau, clique aqui. Hoje Macau é uma cidade-estado, independente da China. Ela tem seu próprio salvo-conduto e sua própria soberania vigente. É uma cidade lotada de gente, com a maior densidade populacional do universo. Mas na hora do vamos ver mesmo, praticamente só se ouve o Cantonês pelas ruas. Os cassinos levam milhares de turistas por ano a Macau e transformam a cidade em uma das mais caras e com o maior IDH da China. Podemos esperar algumas coisas meio cafonas e meio chineses demais em Macau.

Numéros en texte intégral

Accueil Numéros 16 Macau pós-colonial: esperança e d Utilizando de entrevistas com residentes locais, este artigo argumenta que a categoria imaginada de Centro Mundial de Turismo e Lazer, cunhada pelas autoridades locais, mascara uma economia oculta ilícita. Isto a faria a localidade com maior PIB per capita em termos de paridade de poder de encomenda no mundo. Os entrevistados nasceram, cresceram, viveram e mantêm residência em Macau. Visando reunir dados mais aprofundados, os entrevistados foram incentivados a falar sobre sua vida em Macau. As características desse tipo de economia transgridem frequentemente o convencional, o racional e o moral. Comaroff e Comaroff , p.

133 134 135 136 137 138 139 140 141

Leave a Reply

Your email address will not be published.*

Back to top button